Publicidade

Veja detalhes sobre rentabilidade do investimento e como calcular. 

Ao adentrarmos o vasto universo dos investimentos, nos deparamos com um termo crucial: rentabilidade. Mas afinal, o que é rentabilidade de um investimento? 

Este conceito pode ser muitas vezes confundido com outros, fazendo com que você tenha dúvidas sobre sua real função e como pode ser calculada a rentabilidade. 

Por isso, nesta matéria vamos mostrar de forma completa o que é rentabilidade de um investimento para que você tenha todas as informações que precisa e ajude você a maximizar seus ganhos financeiros.

Publicidade

O que é Rentabilidade?

A rentabilidade de um investimento refere-se à capacidade desse investimento gerar lucros ao longo do tempo. Ela é expressa como uma porcentagem que representa o retorno financeiro obtido em relação ao valor inicial investido.

Por definição, corresponde ao percentual de ganho obtido a partir do montante investido. Esse conceito abrange qualquer tipo de retorno decorrente de um aporte financeiro, sendo aplicável tanto em avaliações de desempenho de negócios como indústrias, comércios ou serviços, quanto na análise de uma carteira de investimentos.

Um exemplo prático pode ser visualizado ao investir R$ 10.000 em um Certificado de Depósito Bancário (CDB) com uma taxa de rentabilidade de 10% ao ano. Após um ano, o retorno seria de R$ 1.000 sobre o valor inicial investido, representando 10% de R$ 10.000.

É importante notar que, ao mencionarmos retorno, estamos nos referindo ao valor absoluto gerado pelo investimento. Em contraste, a rentabilidade é expressa como um percentual desse retorno.

Qual a diferença de rentabilidade e lucratividade?

Ambos são conceitos financeiros relacionados, mas têm significados distintos e são usados em contextos diferentes. 

Como vimos, a rentabilidade se refere ao retorno ou ganho obtido em relação ao investimento realizado e é uma medida que expressa o desempenho financeiro de um investimento ao longo do tempo. Geralmente é calculada como uma porcentagem e pode ser aplicada a diversos tipos de investimentos, como ações, títulos, imóveis, entre outros.

A lucratividade, por outro lado, está mais relacionada aos lucros obtidos por uma empresa ou negócio em relação às suas receitas ou investimentos. 

É uma medida de eficiência que avalia a capacidade de uma empresa gerar lucro em suas operações.

Assim, enquanto a rentabilidade se concentra no retorno relativo a um investimento específico, a lucratividade avalia a eficiência geral de uma empresa em gerar lucros em relação às suas operações. 

Ambos os conceitos são importantes em diferentes contextos e fornecem informações valiosas para investidores e gestores.

rentabilidade é a porcentagem de anhos obtidos

Quais os Tipos?

Existem diversos tipos de rentabilidade, e eles variam de acordo com o contexto do investimento e os critérios utilizados para avaliar o retorno. Os principais tipos de rentabilidade são:

  • Rentabilidade Nominal: Refere-se ao ganho absoluto em termos monetários, sem considerar a inflação ou outros fatores.
  • Rentabilidade Real: Leva em conta a inflação, proporcionando uma visão mais precisa do poder de compra do retorno. A fórmula básica é Rentabilidade Real = (1+Rentabilidade Nominal) ÷ (1+Taxa de Inflação)−1.
  • Retorno sobre Investimento (ROI): Calcula a rentabilidade como uma porcentagem do ganho ou perda em relação ao investimento inicial. A fórmula é ROI=(Ganho do Investimento – Investimento Inicial) ÷ Investimento Inicial.
  • Taxa Interna de Retorno (TIR): Representa a taxa de desconto que torna o valor presente líquido (VPL) dos fluxos de caixa de um investimento igual a zero. É uma medida mais avançada que considera o tempo e os fluxos de caixa.
  • Taxa de Retorno Anual (TREA): Similar à TIR, a TREA considera o tempo e os fluxos de caixa, mas é mais adequada para investimentos que possuem reinvestimento dos ganhos.
  • Rentabilidade Acumulada: Indica o ganho total ao longo de um período, considerando os rendimentos obtidos em diferentes períodos.
  • Rentabilidade Bruta e Líquida: A rentabilidade bruta não considera descontos, enquanto a rentabilidade líquida leva em conta taxas, impostos e outros custos.
  • Dividend Yield: Usado principalmente em investimentos em ações, representa a porcentagem do dividendo anual em relação ao preço da ação. A fórmula é Dividend Yield = (Dividendos por Ação / Preço da Ação) × 100%.

Fatores que Influenciam a Rentabilidade

A rentabilidade de um investimento é influenciada por diversos fatores, e entendê-los é crucial para tomar decisões informadas. 

O Tipo de Investimento é o principal fator de influência, já que diferentes classes de ativos têm características distintas e a rentabilidade pode variar significativamente entre ações, títulos, imóveis, fundos mútuos, criptomoedas, entre outros.

O risco do investimento e o prazo do retorno também devem ser considerados para se pensar na rentabilidade. Geralmente, investimentos mais arriscados têm o potencial de oferecer retornos mais elevados e mais rapidamente, mas também carregam a possibilidade de perdas substanciais, enquanto os de longo prazo apresentam uma certa segurança, mas dependendo do interesse do investidor, cada modelo pode ser mais interessante a depender do momento.

Outras questões relevantes são relativas à políticas econômicas, nacionais e internacionais, que podem influencias sobre taxas de juros, inflação  e variação de taxas de câmbio, por exemplo, e assim podem afetar o poder de compra do dinheiro ao longo do tempo. É importante considerar também que investimentos que não superam a taxa de inflação podem resultar em perda de poder de compra.

Em investimentos que pagam dividendos, como ações de empresas, os pagamentos regulares podem contribuir significativamente para a rentabilidade total e mudanças na estrutura das empresas através de decisões da gestão podem impactar na rentabilidade.

Taxas de transação, taxas de gestão de fundos, impostos e outros custos podem reduzir a rentabilidade líquida de um investimento. É importante considerar esses custos ao calcular a expectativa de retorno.

Compreender esses fatores e como eles interagem é essencial para tomar decisões de investimento informadas e alinhadas aos objetivos financeiros pessoais. Ter uma carteira bem diversificada, com diferentes tipos de ativos, setores e regiões geográficas pode ajudar a reduzir o risco e melhorar a rentabilidade a longo prazo. Conheça mais sobre alguns tipos de investimento clicando aqui.

Estratégias de Otimização

diversificação de investimentos

Maximizar a rentabilidade dos investimentos envolve a consideração de várias estratégias, levando em conta diferentes fatores, como risco, prazo de investimento e objetivos financeiros. Aqui estão algumas estratégias que os investidores podem considerar para buscar aumentar a rentabilidade:

  • Diversificação da Carteira: Distribuir os investimentos em diferentes classes de ativos, setores e regiões pode reduzir o risco global da carteira. Uma boa diversificação pode ajudar a aproveitar oportunidades de crescimento em diferentes áreas da economia.
  • Reinvestimento de Ganhos: Reinvestir os rendimentos, como dividendos, juros ou ganhos de capital, pode potencializar o crescimento do investimento ao longo do tempo. Esse processo é conhecido como “juros sobre juros” e é uma maneira eficaz de acelerar a acumulação de riqueza.
  • Avaliação Regular da Carteira: Periodicamente, revisar a carteira de investimentos para garantir que ela esteja alinhada aos objetivos financeiros e às condições de mercado. O rebalanceamento pode ser necessário para manter a diversificação desejada.
  • Busca por Oportunidades de Mercado: Monitorar as condições de mercado e identificar oportunidades. Isso pode incluir a busca por ativos subvalorizados, setores em crescimento ou tendências emergentes que podem impulsionar os retornos.
  • Aprendizado Contínuo: Manter-se informado sobre desenvolvimentos econômicos, mudanças nas políticas e outros eventos que possam impactar os mercados. Um investidor informado está melhor posicionado para tomar decisões acertadas.
  • Utilização de Instrumentos Financeiros Adequados: Escolher os instrumentos financeiros mais adequados para os objetivos e tolerância ao risco. Isso pode incluir ações, títulos, fundos mútuos, ETFs, entre outros, dependendo do perfil do investidor.
  • Gerenciamento de Riscos: Entender e gerenciar os riscos associados aos investimentos. Isso inclui diversificar, estabelecer limites de perda, e utilizar instrumentos financeiros como opções para proteção.
  • Aproveitar Benefícios Fiscais: Conhecer e aproveitar os benefícios fiscais disponíveis para determinados investimentos. Isso pode incluir isenções fiscais sobre certos tipos de ganhos de capital ou veículos de investimento com vantagens fiscais.
  • Investir com Objetivos de Longo Prazo: Adotar uma abordagem de investimento de longo prazo pode permitir que os investidores superem as flutuações de curto prazo nos mercados e aproveitem o potencial de crescimento ao longo do tempo.
  • Consulta a Profissionais Financeiros: Em muitos casos, buscar orientação de profissionais financeiros pode ajudar na formulação de estratégias personalizadas, considerando a situação financeira única de cada investidor.

É importante notar que, embora essas estratégias possam ajudar a maximizar a rentabilidade, nenhum investimento está isento de risco, e a diversificação não garante lucro ou proteção contra perdas. Cada estratégia deve ser adaptada às circunstâncias e objetivos individuais do investidor.

Gostou de conhecer sobre rentabilidade? Veja mais dicas financeiras clicando aqui.